Custom Menu

Latest From Our Blog

I Like This | Uma das sete maravilhas da natureza
21321
post-template-default,single,single-post,postid-21321,single-format-gallery,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12.1,vc_responsive

Uma das sete maravilhas da natureza

Uma das sete maravilhas da natureza

Brasil e Argentina, dois países vizinhos separados pelas maiores cataratas do mundo. De um lado o Parque Nacional do Iguaçu, do outro o Parque Nacional de Iguazú; nomes atribuídos em idiomas diferentes para um valor em comum: a majestade da natureza. No total, as duas áreas protegidas, em cada lado da fronteira, perfazem cerca de 250 mil hectares de floresta subtropical. A escassez da água não se faz notar para estes lados, atraindo milhares de visitantes todos os anos, ávidos de apreciarem uma das sete maravilhas da natureza (denominação atribuída pela Fundação New 7 Wonders, em 2011).

Reconhecida como Património Natural da Humanidade, esta área ocupa, cada vez mais, uma posição preponderante e destacada no turismo mundial. Os meios de comunicação social internacionais realçam, com frequência, estas cataratas como um dos destinos mais relevantes. Sucedem-se as certificações e inclusões em listas de publicações de especialidade, mas também ganham maior visibilidade as muitas fotografias captadas ante um cenário tão magnífico. A zona de preservação argentina situa-se no extremo norte da província de Misiones e alberga nada mais, nada menos do que 2700 metros de quedas de água.

Num ambiente selvagem e puro, é necessário assegurar a sua sustentabilidade. Por isso, foram construídos passadiços que permitem ao ser humano chegar perto das Cataratas de Iguazú, mas sem que isso se torne numa experiência demasiado perigosa ou suscetível de causar danos às muitas espécies animais existentes na selva envolvente. Ao chegar ao lado argentino encontra-se logo um dos atrativos do Parque, ou seja, o Centro de Interpretação de Natureza Yvyirá Retá, um espaço moderno e que oferece aos visitantes a oportunidade de conhecerem melhor a história, evolução e atualidade do Iguazú; uma espécie de retiro mental, que antecede o cristalino contacto com a natureza.

A Garganta del Diablo é a maior queda de água do Parque e tem quase 85 metros de altura e 150 metros de largura. Os turistas podem aproximar-se e ficar a escassos centímetros de distância da imponência, força e poder hipnotizante desta catarata. O transporte até ao local é assegurado por um comboio ecológico, mas existem outras atividades que servem para fomentar, ainda mais, um contacto próximo com as muitas maravilhas naturais: passeios noturnos, safaris e a possibilidade de decorrerem eventos privados para celebrar acontecimentos especiais num dos lugares mais sublimes do mundo.

Sem comentários

Sorry, the comment form is closed at this time.