Custom Menu

Latest From Our Blog

Ilikethis | “Portugal e África do Sul estão historicamente conectados”
20852
post-template-default,single,single-post,postid-20852,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12.1,vc_responsive

“Portugal e África do Sul estão historicamente conectados”

“Portugal e África do Sul estão historicamente conectados”

Tendo origens na época dos Descobrimentos e na passagem de Vasco da Gama pelo Cabo da Boa Esperança, a relação de Portugal com a África do Sul tem-se desenvolvido em torno de quatro polos fundamentais: cultura, ensino, turismo e economia. Mmamokwena Gaoretelelwe, Embaixadora da África do Sul em Lisboa, conta de que forma se tem fortalecido esta relação bilateral e desvenda o local que mais a encantou em Portugal.

Como define a atual relação entre Portugal e a África do Sul?
Os dois países têm uma relação estreita e pragmática ligada a laços históricos profundamente enraizados. Portanto, não é surpreendente que a África do Sul tenha a terceira maior comunidade portuguesa (depois do Brasil e de França), com cerca de 600 mil pessoas. Esta longa relação histórica tem origens na era dos Descobrimentos, quando navegadores portugueses como Bartolomeu Dias e Vasco da Gama dobraram o Cabo das Tormentas que, mais tarde, se tornou no Cabo da Boa Esperança, descobrindo a rota marítima para a Índia. Um testemunho é a espetacular rosa dos ventos no Monumento dos Descobrimentos, em Belém, doada pela África do Sul em 1960. Ao longo das décadas, muitos portugueses seguiram o caminho desses exploradores e emigraram para a África do Sul, sobretudo oriundos da Madeira, a bordo de navios que seguiam para a Cidade do Cabo com regularidade. Na luta contra o Apartheid, Portugal também desempenhou um importante papel de apoio à nossa luta pela liberdade, enquanto empreendia a sua própria luta contra a ditadura. Se é verdade que os nossos dois países estão historicamente conectados, os nossos destinos estão interligados não apenas pelo passado, mas também por vínculos e parcerias permanentes, especificamente no que se refere a África e às excolónias, entre as quais Angola e Moçambique são vizinhos próximos e parceiros estratégicos. Os dois países veem-se como importantes parceiros estratégicos, tanto a nível político como económico, reconhecendo também o papel importante de Portugal na União Europeia, ONU e outros fóruns multilaterais. Existe convergência em questões internacionais importantes, tais como na resolução de conflitos, manutenção e promoção da paz, segurança e desenvolvimento em África. Isto é evidente, por exemplo, no empenho de ambos os países e nas suas contribuições de tropas para operações de paz da ONU em África.

Como classifica o investimento sul-africano em Portugal?
Existe uma grande oportunidade para as empresas sul-africanas investirem mais em Portugal. Empresas sul-africanas como a Cartrack, a Barlow World Stet e a Vivian Regina demonstram que há oportunidades de negócio em Portugal. No entanto, há mais para as empresas sul-africanas aprenderem em termos de negócios em Portugal, para aproveitarem as oportunidades de investimento existentes. Além disso, há um grande número de vistos gold (investimentos empresariais e imobiliários) emitidos em Portugal a cidadãos sul-africanos. No ano passado, a África do Sul ocupou o quarto lugar nesta categoria, atrás da China, Brasil e Rússia.

Como Embaixadora já realizou algumas visitas em Portugal. Quais os locais e produtos que mais gostou?
Embora Portugal seja um país pequeno, é um país muito bonito e as pessoas são muito simpáticas e prestáveis. Visitei os Açores, o Porto e a linda ilha da Madeira. Quando fui ao Porto provei vinho do Porto e a gastronomia local, que são fantásticos. Também visitei a região da Serra da Estrela com as suas encantadoras paisagens de montanha e a tranquila aldeia de Loriga.

Quais as principais diferenças e semelhanças entre os dois países?
Os dois países compartilham as suas lutas pela liberdade. Tal como o nosso nascimento como democracia em 1994, Portugal teve a sua luta pela democracia 20 anos antes, na Revolução dos Cravos, a 25 de Abril de 1974. Ambos estão limitados pelo Oceano Atlântico, o que mantém a ligação histórica entre os dois países. Como principais semelhanças, eu diria que tanto os sul-africanos como os portugueses gostam de música e dança, boa comida, ótimos vinhos e têm uma profunda ligação à cultura e ao património; são ambos educados e cumprimentam todos, estando sempre dispostos a ajudar estranhos. As principais diferenças são a língua – uma língua oficial versus as 11 línguas oficiais da África do Sul – e o facto de Portugal ser um país pequeno, tendo o tamanho de algumas das nossas províncias de tamanho médio e apenas um quinto da população.

Leia a entrevista na íntegra na compra da 18ª edição da I Like This em www.micas.pt

Sem comentários

Sorry, the comment form is closed at this time.