Custom Menu

Latest From Our Blog

I Like This | Parque Kruger: o santuário da vida selvagem
20870
post-template-default,single,single-post,postid-20870,single-format-gallery,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12.1,vc_responsive

Parque Kruger: o santuário da vida selvagem

Parque Kruger: o santuário da vida selvagem

O cheiro a África, a paisagem impressionante, a imprevisibilidade da savana e a emoção e adrenalina de poder ver mamíferos selvagens de grande porte. O Parque Nacional Kruger é a maior área protegida de fauna bravia da África do Sul e o local ideal para quem procura uma experiência de vida selvagem e de contacto próximo com a natureza.

Um total de 20 mil quilómetros quadrados, nove portas principais e mais de três mil quilómetros de estradas para os turistas explorarem. Estes são os dados do Parque Nacional Kruger, mas apenas os números não ilustram a experiência de um turista que escolhe visitar este parque localizado nas províncias de Mpumalanga e Limpopo, ao longo da fronteira com Moçambique.

O Parque Nacional Kruger é a maior área protegida de fauna bravia da África do Sul e anualmente recebe cerca de um milhão de turistas, sendo considerado um paraíso natural que oferece uma aventura aos amantes da vida animal. Com mais mamíferos do que qualquer outra reserva africana, o Kruger é o território dos Cinco Grandes – os cinco mamíferos selvagens de grande porte mais difíceis de serem caçados pelo Homem -, sendo possível observar de perto leões, elefantes, búfalos-africanos, leopardos e rinocerontes-brancos. As populações de leões e leopardos rondam 1700 e 1000, respetivamente, e existe cerca de uma centena de chitas. Além das espécies de mamíferos, existem 114 espécies de répteis, incluindo a mamba-preta, uma das mais venenosas cobras do continente, e a piton-africana, assim como crocodilos, aves e peixes. A vegetação é também muito variada, com mais de 300 espécies de árvores. O local mais elevado do parque é o monte Khandzalive e são seis os rios que atravessam o local: Sabie, Olifants, Crocodile, Letaba, Luvuvhu e Limpopo.

Os safaris são uma das principais atividades desta reserva natural, que tem nove portas principais, permitindo a entrada por diferentes zonas. Além disso, há 21 campos de descanso, duas áreas de hospedagem e 15 lodges de safari, assim como quilómetros de estradas prontas a serem descobertas pelos visitantes. Para além da vertente natural, no Kruger existem locais com vestígios de pinturas rupestres feitas por boximanes, um povo nómada, e 300 lugares com vestígios da Idade da Pedra, comprovados pelo Departamento de Arqueologia da Universidade de Pretória.

Este local foi nomeado oficialmente reserva natural em 1926 e declarado primeiro parque natural da África do Sul, depois de Paul Kruger, presidente da República Sul-Africana, ter alertado para a ameaça de extinção que os animais da região estavam a sofrer devido ao excesso de caça.

Sem comentários

Sorry, the comment form is closed at this time.