Custom Menu

Latest From Our Blog

Ilikethis | Maior radiotelescópio do mundo com participação portuguesa
20911
post-template-default,single,single-post,postid-20911,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12.1,vc_responsive

Maior radiotelescópio do mundo com participação portuguesa

Maior radiotelescópio do mundo com participação portuguesa

É considerada a maior infraestrutura científica do século XXI e vai começar a ser construída em 2019 na África do Sul e na Austrália. Chama-se SKA – Square Kilometer Array e consiste no maior e mais sensível radiotelescópio do mundo. Portugal, através de um consórcio composto por universidades e empresas, é um dos 19 países que participa neste mega-projeto internacional.

Os números estão de acordo com a grandeza deste projeto: 19 países envolvidos, cerca de 200 antenas de 15 metros na África do Sul, milhares de dipolos na Austrália, um quilómetro quadrado de diâmetro e um volume de dados que será cerca de cinco a sete vezes o tráfego internacional de internet. O nome do projeto é SKA – Square Kilometer Array e consiste no maior radiotelescópio alguma vez construído, ultrapassando o Five-hundred-meter Aperture Spherical radio Telescope (Fast), que está instalado na província de Guizhou, no sudoeste da China.

“O SKA é, por definição, um radiotelescópio, mas em termos práticos pode ser definido como uma espécie de scanner. É uma rede de sensores ligados por fibra ótica que utilizam as tecnologias de informação para tirar fotografias muito rápidas ao céu durante 24 horas por dia, sete dias por semana”, explica Domingos Barbosa, investigador do Instituto de Telecomunicações (IT) e coordenador do consórcio português.

Com uma resolução quatro vezes superior ao Very Large Array, o SKA irá rastrear o céu em contínuo com ondas rádio, as únicas capazes de atravessar as poeiras cósmicas. Estas ondas permitem ver mais longe e irão mapear objetos cósmicos, buracos negros, novos planetas e todos os pulsares da Via Láctea. Os pulsares são restos finais de estrelas dez a 30 vezes maiores do que o Sol. Com o SKA pretende-se ainda avaliar a habitabilidade de planetas próximos e, quem sabe, descobrir vida extraterrestre, uma vez que este supertelescópio consegue detetar um aeroporto a 50 anos-luz. Para se ter uma ideia, a lua está a apenas um segundo-luz da Terra.

A primeira fase tem um orçamento previsto de 670 milhões de euros. Depois da construção da estrutura inicia-se a segunda fase do SKA, que se estende a Moçambique e outros países vizinhos e que tem um orçamento de mais de 1200 milhões de euros, estando prevista para 2024/25.

Leia a reportagem completa na compra da 18ª edição da I Like This em www.micas.pt.

Sem comentários

Sorry, the comment form is closed at this time.