Custom Menu

Latest From Our Blog

I Like This | À descoberta da essência do Gerês
21389
post-template-default,single,single-post,postid-21389,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12.1,vc_responsive

À descoberta da essência do Gerês

À descoberta da essência do Gerês

A paisagem é incomparável e são as suas cores que definem a beleza da Serra do Gerês. O concelho de Terras de Bouro representa a essência desta região, que tem uma parte integrada no Parque Nacional da Peneda-Gerês. Da Mata da Albergaria à Albufeira da Caniçada, por entre cascatas, miradouros, percursos, trilhos e um rico património, embarque nesta viagem à descoberta da essência do Gerês.

Mata da Albergaria:

A Mata da Albergaria é um dos bosques mais importantes do Parque Nacional da Peneda-Gerês, constituída essencialmente por um carvalhal secular que inclui espécies características da fauna e flora geresianas. Este bosque está situado entre as Caldas do Gerês e a Portela do Homem e guarda um troço da Geira Romana, com as ruínas das pontes e vários marcos miliários. Dado o aumento da presença humana, os responsáveis do Parque Nacional introduziram limites à circulação de viaturas dentro da Mata, com vista a preservar as suas características.

Vilarinho da Furna:

Vilarinho da Furna, também conhecida por Vilarinho das Furnas, era uma antiga aldeia comunitária da freguesia de Campo do Gerês que ficou submersa em 1971 pela construção da albufeira da barragem de Vilarinho das Furnas. A despovoação decorreu entre setembro de 1969 e outubro de 1970 e a povoação acabou por se dispersar pelos concelhos vizinhos. Quando o fluxo das águas é menor ainda é possível ver as ruínas das casas, os caminhos e os muros da antiga aldeia. Em Campo do Gerês existe um museu que retrata a história e o património da aldeia.

Geira Romana:

A Via Romana da Geira é o nome pelo qual é conhecida a via de comunicação, construída pelo Império Romano, durante a Dinastia Flaviana (entre 69 e 96), que ligava Bracara Augusta, atual cidade de Braga, a Astúrica Augusta, atual Astorga, num percurso total de 318 quilómetros. Esta via passa pelo concelho de Terras de Bouro numa extensão de cerca de 30 quilómetros (milhas XIV e XXXIV) transversal a diferentes freguesias. Ao longo do percurso é possível ver vários marcos miliários, pontes romanas e admirar a beleza natural da paisagem.

Pontes em Rio Caldo:

Sobre o rio Caldo e projetadas por Edgar Cardoso, as pontes em Rio Caldo foram construídas em 1954, tendo em vista a subida do nível das águas do rio Cávado e a criação do espelho de água, consequências da construção da barragem da Caniçada. Estas duas pontes fazem parte das estradas nacionais 308 – que segue para a vila do Gerês – e 304 – entre a zona do São Bento da Porta Aberta e a EN 103, entre Braga e Chaves. As pontes na freguesia de Rio Caldo, com uma altura máxima de 58 metros, destacam-se pelos tabuleiros em laje de betão armado.

Marina de Rio Caldo: 

Procurada pela beleza paisagística e pelas excelentes condições de prática desportiva, a Marina de Rio Caldo é um local de eleição na região, uma vez que tem acesso à Albufeira da Caniçada, a empresas desportivas náuticas e a espaços de restauração com esplanadas. No total são 689 hectares de espelho de água navegáveis através de um barco de recreio que oferece uma viagem única de caráter turístico-ambiental. Nas zonas em redor da marina existem também várias pequenas praias fluviais que nos meses de verão se enchem de turistas.

Termas:

Em Terras de Bouro são dois os espaços termais que aproveitam da melhor forma as águas medicinais. As Termas de Moimenta, na vila de Terras de Bouro, têm reconhecidos benefícios em doenças do foro reumatismal e alergias da pele, além de disporem de tratamentos de relaxamento. Mais antigas, as Termas do Gerês remontam a sua origem ao
período romano, sendo que foi durante o reinado de D. João V que se construíram os primeiros edifícios para banhos. É reconhecida a influência positiva das águas do Gerês em doenças do fígado e vesícula.

São Bento da Porta Aberta:

Falar do Gerês é falar de turismo religioso, principalmente pela presença do Santuário de São Bento da Porta Aberta, um templo centenário conhecido pela inigualável devoção dos milhares de peregrinos que anualmente ali chegam. O culto originou-se com a construção de uma pequena Ermida em 1614. Como era normal na época, a capela tinha um alpendre e as portas sempre abertas, servindo de abrigo a todos os que passavam. Com o crescimento do culto houve a necessidade de ampliação, sendo erguido então o templo a S. Bento de 1880 a 1895.

Cascatas:

O Gerês é um dos redutos naturais de Portugal que atrai visitantes pela quantidade de ribeiras, cascatas e pequenas quedas de água que é possível descobrir. De grau de dificuldade maior ou menor, com mais ou menos água, percorrer o concelho de Terras de Bouro implica estar preparado para, a qualquer altura, encontrar belas cascatas naturais de águas límpidas e cristalinas. Deste modo, destacam-se a Cascata de Leonte, as Cascatas de Fecha de Barjas, conhecida por Cascatas do Tahiti, a Cascata do Arado e a Cascata da Portela do Homem.

Miradouros:

Um pouco por todo o território são vários os miradouros que permitem ver paisagens belíssimas, admirar serras e montanhas, apreciar rios e riachos e entrar em contacto direto com a natureza geresiana. Cada um destes miradouros, com maior ou menos facilidade de acesso, permite uma perspetiva diferente da paisagem e neles é possível observar a essência do Gerês. No concelho de Terras de Bouro destacam-se os miradouros da Pedra Bela, Junceda, Carris, Novo, Velho, Boneca, Leonte, Sobreira, Ventozelo, Formigueiro/S. Bento e Bom Jesus das Mós.

 

Sem comentários

Sorry, the comment form is closed at this time.